sábado, 4 de fevereiro de 2012

DESURBANIDADE

(Projeto : Um poema em cada árvore)



DESURBANIDADE

A cidade,

qual  lânguida serpente,

pelos vales montanhosos,
espalha-se indolente.


Sua gente,sofrida,

em árdua labuta,
briga,pela vida,
na quotidiana luta.



Nesta floresta

bruta e anônima,

amores acontecem,


aspirações nascem
e...fenecem.



Este mundo, de concreto armado,

em cima de sonhos erguido,

desumano e alheado,
sufoca suas angústias.

Nega-se a ouvir seus gritos!


(Mariney K.)